Lucano

Lucanus (39-65 dC), poeta épico

Marco Aneu Lucano nasceu em Cordoba, e era sobrinho do jovem Sêneca. Foi educado, portanto, no ambiente da aristocracia estóica de Roma. Juntamente com Pérsio, foi aluno de Cornuto. Logo assegurou para si o favor de Nero, e foi nomeado questor, ainda muito jovem. Mais ou menos nessa época (62-63), os primeiros três livros de Guerra Civil foram publicados, e suas relações com Nero começaram a se deteriorar. Deve ser enfatizado que as diferenças entre eles eram pessoais, não poéticas. Tácito (Anais, XV, 49), fala em ódios flamejantes e em causas particulares; rivalidades literárias e trocas de indelicadezas também entravam em jogo. Lucano participou da conspiração de C. Calpúrbio Pisão - não para restabelecer a República, mas para reformar o Império - e foi obrigado a se suicidar. Traindo familiares, os confederados e declamando seus próprios versos, ele cometeu suicídio. De sua produção espantosa (morreu aos 25 anos), restaram apenas fragmentos, juntamente com dez livros (o poema está visivelmente inacbanado e provavelmente abrangeria até o ano 44 aC) da Guerra Civil.

Filósofo por paixão. Ex-seminarista da Ordem dos Franciscanos. Humanista. Áreas de interesse: Cinismo; materialismo francês; Sade; Michel Onfray; ética. Idealizador e escritor do Portal Veritas desde dez/2005.