Ética Materialista: Utilitarismo de Bentham e Mill

Jeremy Bentham
Os utilitaristas adotam como princípio basilar do agir humano a inexistência de qualquer regra vinda do passado. O elemento de partida é um dado futuro e teleológico (final), o resultado. É verdadeiro o pensamento que dá resultado, é boa a ação que terá efeitos positivos. Será o resultado a dizer-nos se esta ação é boa ou má, verdadeira ou falsa, justa ou injusta.


Foram os ingleses Jeremy Bentham (1748 - 1832) e Stuart Mill (1806 - 1873) que desenvolveram esta ética baseada no princípio da utilidade. Bentham, filósofo e jurista londrino, menino prodígio, terá enorme influência nas legislações dos Estados após o seu livro Introdução aos Princípios da Moral e da Legislação (1789). A humanidade, ele diz, é governada por dois soberanos: a dor e o prazer. A Lei e a Política, portanto, devem alcançar o prazer o o útil, pois o bem é o prazer e a virtude é aquilo que leva ao prazer feliz. O contemporâneo Mill, exuberante e meio anárquico, falido na tentativa de formar um partico anticonservador em Londres, aprimora em sentido até espiritualista a doutrina de Bentham sobre os prazeres, afirmando, em Princípios de Economia Política (1848), que ação útil e o prazer devem ser também uma colaboração com Deus no aperfeiçoamento do mundo. Deus não é todo-poderoso e não criou totalmente o mundo, necessitando da ajuda do homem para tanto.



Os dois autores sintetizam o utilitarismo nesta fórmula: é bom aquilo que é útil para o maior número possível de pessoas. As ações são justas se tendem a promover a felicidade, são injustas se tendem a promover o contrário da felicidade.

As ações humanas, portanto, são morais e aceitáveis quando as consequências são boas para quem as executa e para quem as recebe. É bom aquilo que proporciona o Bem Comum e o bem-estar de todos. O homem é naturalmente egoísta, mas tal egoísmo pode tornar-se benéfico para a maioria, quando é usado na ambição social e no aumento da produção. Não existe altruísmo na economia e, se vierem vantagens para os outros, isto é apenas um efeito do egoísmo.


MARCHIONNI, Antônio. ÉTICA: A ARTE DO BOM. Editora Vozes: Petrópolis, 2008. p 215-216

Filósofo por paixão. Ex-seminarista da Ordem dos Franciscanos. Humanista. Áreas de interesse: Cinismo; materialismo francês; Sade; Michel Onfray; ética. Idealizador e escritor do Portal Veritas desde dez/2005.