Qual a Democracia Que Queremos?

Ainda não assisti o debate de ontem. Mas ainda quero ver um tal deputado que quer ser presidente com uma cola na mão e que prefere resolver seus dilemas no grito... e ter pena da forma como somos miseráveis por pensar como alguém pode querer votar nele.

Aquele que nada sabe não possui condições de querer ser presidente. Está certo, constitucionalmente, qualquer um o pode. Mas sem conhecer nada de nada, a não ser ensinar uma criança a atirar, demonstra não ter qualquer competência técnica e mesmo moral para tal.

Ocorre que, por desagravo com Lula, todos correm para a direção diametralmente oposta, ingenuinamente, como se isso melhorasse algo. Todos esperam um anjo caído do céu, um messias capaz de resolver nossos problemas como um passe de mágica. Mas, além de ingenuidade, isso também é burrice. Burrice por não entender que os problemas se resolvem com história, no decorrer da história. Esperar que tudo melhore em poucos anos é impossível. Talvez nossos bisnetos vejam algo melhor, mas apenas um pouco. Não muito.

E é mais burrice ainda pensar de que forma alguém que ensina uma criança a atirar e possui três condenações por ataque a grupos sociais minoritários possa melhorar algo. Na melhor das hipóteses apenas demonstra não saber o que é democracia. E quando falo em democracia, falo do entendimento moderno de democracia. Talvez o tal deputado seja suficientemente desatualizado para pensar que a nossa democracia é a mesma da Grécia antiga, onde mulheres, escravos e menores de idade não eram cidadãos.


Filósofo por paixão. Ex-seminarista da Ordem dos Franciscanos. Humanista. Áreas de interesse: Cinismo; materialismo francês; Sade; Michel Onfray; ética. Idealizador e escritor do Portal Veritas desde dez/2005.