Memórias de Jean Meslier, Terceira Prova

por Breno Lucano

As refutações desmistificadoras de Meslier às passagens bíblicas prosseguem na Terceira Prova e referem-se às revelações divinas. O filósofo da aldeia afirma que os personagens bíblicos que afirmam ter sido testemunhas de tais prodígios, como o patriarca Abrãao, seu filho Isaac e Jaco, são, na maioria, pessoas simplórias, habitantes do deserto, homens rudes e ignorantes e que seriam julgados como mentirosos e idiotas caso relatassem tais eventos para contemporâneos de Meslier. Ora, um deus misericordioso e bondoso não seria, por outro lado, insensato em privilegiar homens ou povos em detrimento de outros de seus filhos na divulgação de seus ensinamentos. Assim, uma aliança entre Deus e os homens seria falsa, principalmente se esse Deus necessitar de homens para revelar seus ensinamentos.



Contra a existência da divindade, Meslier alavanca duas teses. A primeira consiste no fato de que nenhuma das profecias pretensamente reveladas se cumpriu. A segunda, recorda os rituais e sacrifícios instituídos por esse deus. É inconcebível que Deus solicite dos homens rituais tão bárbaros afim de diviniza-lo e honra-lo.  Sua revolta ultrapassa às mazelas humanas porquanto contesta igualmente a matança de animais.

A preocupação de Meslier com os animais deriva de sua franca oposição ao cartesianismo tão em voga em sua época. Mesmo com as dificuldades de um padre de província, elege um pensamento genuíno contrário ao hegemônico. Descartes entendia os animais como puras máquinas, como seres incapazes de ter conhecimento, ter prazer e dor. Assim, ao sacrificar animais em rituais, Meslier entende que os homens dispersam todo sentimento de bondade e generosidade que se pode ter por tais criaturas. Os sacrifícios, enfim, não seriam instituições divinas, mas humanas.


Filósofo por paixão. Ex-seminarista da Ordem dos Franciscanos. Humanista. Áreas de interesse: Cinismo; materialismo francês; Sade; Michel Onfray; ética. Idealizador e escritor do Portal Veritas desde dez/2005.