Imperador Marcus Aurelius no Danúbio: Ano de 166

Tradução de Breno de Magalhães Bastos


Os Primeiros Choques

Consulado de Quinto Servílio e Lúcio Fufídio Póllio
Sem que se possa precisar a data exata, em algum momento do ano 166 começaram os ataques. Hermunduros, marcomanos e quados – provavelmente também naristos e victumalos – lançaram as primeiras incursões ao longo de toda a linha fronteiriça do Danúbio. Em setembro daquele ano, os marcomanos e seus aliados lançam os primeiros ataques. As guarnições militares, em menor número, situados ao longo do rio, nada puderam faze frente a tamanha ofensiva.


Marco Aurélio, mais do que consciente do perigo representado pelas agressões, formou imediatamente um exército de defesa capaz de fazer frente às hordas invasoras. Recorreu a grande parte da guarda pretoriana, dez coortes – cada uma com aproximadamente 1000 homens – formadas pelas melhores tropas do império -, que se uniram às coortes urbanas (4 coortes de 480 homens) e as unidades de vigia (7 coortes de 480 homens), todas a serviço de Roma. A estas se somaram ainda as frotas da Classe Pretoriana Misenense e Classe Pretoriana Ravennatis, totalizando 20.000 homens, comandados pelo prefeito do pretório, I. Fúrio Victorino. Concomitantemente, o imperador continuava reunindo tropas e organizando um contra-ataque generalizado.

Filósofo por paixão. Ex-seminarista da Ordem dos Franciscanos. Humanista. Áreas de interesse: Cinismo; materialismo francês; Sade; Michel Onfray; ética. Idealizador e escritor do Portal Veritas desde dez/2005.